Curiosidades e Tecnologia para Aplicação da Madeira de Mogno Africano

Produto final

Empregada desde o princípio por nós seres humanos, a madeira está sempre presente nos ambientes que frequentamos. Fascinando profissionais e consumidores pela aumento da tecnologia e criatividade utilizada nos projetos, a arquitetura tem se renovado frequentemente, aplicando à madeira nobre, beleza e sofisticação nas construções.

Conhecidas popularmente como madeiras de lei, as madeiras nobres apresentam maior valor comercial porque são mais duras e possuem maior durabilidade, portanto são extremamente resistentes, comparadas às madeiras comuns como pinus e eucaliptos. Saiba mais sobre esses as diferenças entre dois tipos de madeira aqui.

Em virtude do fenômeno do Apagão Florestal, que prevê a diminuição de áreas privadas para produção de madeiras e extrações ilegais na Amazônia, a expectativa é que ocorrerá o aumento na demanda por madeiras nobres serradas, gerando uma oportunidade cada vez mais ascendente aos investidores do segmento produtor. Para proteger nossas florestas e evitar esses desmatamentos ilegais existem leis ambientais e fiscalizações para que as florestas plantadas estejam dentro da legislação.
Exemplo de madeiras nobres são: Mogno africano, Mogno brasileiro, Ipê, Cedro Australiano, entre outras.
Pisos e decks, faqueados, movelaria, construção naval, sofisticadas construções de interiores e inúmeros outros produtos especiais são produzidos com madeiras nobres.

Produto final
Produto final
Produto final

Um exemplo do avanço na tecnologia de produtos em madeira, é uma bicicleta de mogno, confeccionada pelo japonês Sueshiro Sano, que custa em torno R$ 40 mil e leva em média, três meses para ficar pronta. Conforme citado na reportagem apresentada do Jornal Hoje, Sano tem trabalhado na produção de bicicletas desde 2007 e a partir de então sempre foi aprimorando as técnicas, evoluindo nos modelos e design de cada uma delas. Uma das principais características dessa bicicleta, foi ter alcançado o peso total de 7,5kg sendo, a mais leve que confeccionou até hoje. Suas rodas, que exigem muita delicadeza, possuem 14 camadas de madeira unidas e extremamente finas. Ainda, para finalizar, foram utilizadas 20 camadas de verniz que deram o brilho em cada detalhe da peça. O valor agregado da matéria prima utilizada para a confecção da bicicleta e riqueza em seus detalhes, permite que ela seja avaliada pelo custo de 40 mil reais. Para Sano, produzir bicicletas se tornou uma paixão, e ele diz ficar feliz com a satisfação de seus clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *